Projeto Fio utiliza o bordado como ferramenta de transformação social

E se as roupas surgissem da satisfação de dizer “fui eu que fiz”, e não mais do desgaste e da exploração de mulheres? Esse foi o ponto de partida para o Projeto Fio, um negócio social lançado em 2017 pelas sócias Olivia Silveira, Ana Luiza Nigri, Marina Bittencourt e Letícia Ozorio, com o objetivo de formar mulheres em estado de vulnerabilidade social e econômica em comunidades do Rio de Janeiro. “Ao invés de compactuarmos com um mercado excludente e machista, formamos mulheres para trabalharem dignamente, usando a moda e a arte como ferramentas de transformação social”, explica Olivia Silveira.

Foto: Vivi Giaquinta

Desde então, o quarteto dá aulas de bordado para mulheres moradoras das comunidades da Maré e Tijuquinha, desenvolvendo pequenas coleções de roupas e acessórios com lucros reinvestidos no projeto. Em parceria com o Baalaka Social trabalham utilizando metodologias de arteterapia e arte-educação, a ideia é conectar as alunas ao universo da arte, apresentando o bordado como linguagem para que elas contem suas histórias. “Queremos fortalecer a criatividade e gerar autoestima para essas mulheres, que muitas vezes chegam ao projeto fragilizadas.”

Cada coleção tem poucas modelagens, sempre clássicas e atemporais. Os tecidos e aviamentos naturais e biodegradáveis são prioridade, como algodão, linho e modal. Também há uma linha de reúso, com peças resgatadas e ressignificadas através dos bordados. “Elas são utilizadas como material de aula e uma forma de disponibilizarmos para venda itens bordados por valores mais acesíveis”, conta Olívia.

Foto: Bel Gandolfo

Os valores pagos são definidos em conjunto e variam de acordo com a complexidade e o tempo do bordado. “As bordadeiras que optam por trabalhar com a marca escolhem quais peças bordar, quais desenhos desenvolver, na forma, tempo e local que é melhor para elas”, diz a co-fundadora. Pelas redes sociais, o projeto também mostra a rotina das aulas, a história, vida e contato profissional de cada uma das bordadeiras envolvidas.

Foto: Isabel Corção

O Projeto Fio faz parte da segunda fase do #MovimentoELLE e suas fundadoras espera evoluir com essa conexão. “Tem sido inspirador poder reconhecer nossas dúvidas, dificuldades, medos e desejos em outras jornadas. Isso deixa a certeza de que não estamos sozinhas”, conta Olívia. “Apesar das dificuldades, é nesse caminho, ao lado de pessoas tentando reinventar uma moda mais social, justa e sustentável, que queremos estar.”

O que é o #MovimentoELLE
O #MovimentoELLE é um projeto solidário idealizado pela ELLE e pensado para impulsionar o desenvolvimento sustentável entre pequenos empreendedores de moda.